Cânion Malacara nos Aparados da Serra

IMG_5220

Cânion Malacara

O parque nacional dos Aparados da Serra é um conjunto de desfiladeiros localizado na Serra Geral que acabou servindo de fronteira natural entre os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. O parque tem uma área de 102,5 km2 e, do complexo de cânions mapeados, 25 possuem nomes, podem chegar a até 7km de extensão e ter profundidade de até 900m.

IMG_5324

O cânion Malacara é um dos menos visitados, apesar de sua beleza. Fica localizado em Praia Grande, SC. Possui 3m5 km de extensão e profundidade de 700m. Pode-se fazer a trilha de contemplação, pela parte superior do cânion ou pela parte inferior, percorrendo o interior do cânion.

IMG_5203

Acertamos o passeio ainda na pousada, onde o guia foi nos buscar as 9:00 da manhã. Fizemos a trilha pela parte infeiror, que parte da frente da entrada da pousada Pedra Afiada e percorre o leito do rio e sua encosta até chegar a piscina do Malacara. O passeio leva em torno de 4 horas e tem dificuldade moderada e custou 45,00 por pessoa.

IMG_5305

A recomendação é usar protetor solar e repelente. Como a região é cercada por vegetação tem muitos insetos e é possível avistar algumas aves como tucanos, gralhas, urubus entre outros e, com sorte, até bugios.

IMG_5195

Antes de iniciarmos a trilha, o guia repassa algumas instruções e coloca as perneiras (proteção para as pernas) que ajuda muito para o caso de batidas contra as pedras e também contra possíveis cobras. Não vimos nenhuma no caminho, mas nunca se sabe né?

IMG_5198

Durante o percurso a gente atravessa o rio 10 vezes, em um zigue-zague que busca facilitar o trajeto.  Não tem jeito, você vai se molhar, então é melhor utilizar calçados apropriados tais como tênis com agarradeiras, botas ou sandálias de caminhada. No início eu tentei não afundar o pé na água, mas logo desisti porque fica bem complicado manter o equilíbrio durante a travessia devido ao fato de as pedras molhadas ficarem muito escorregadias.

IMG_5207

Andar sobre as pedras roladas  pode ser chatinho também, então se você tem medo ou dificuldade de locomoção melhor não ir. Mas olha só, quando fomos havia uma família com duas crianças, uma de 4 e outra de 6 anos que seguiram o trajeto super bem. perguntei aos pais se elas estavam acostumadas a fazer trilhas e eles disseram que aquela era a primeira. Por aí dá para ver que o grau de dificuldade é baixo.

IMG_5295

Ao todo, ida e volta, levamos 4 horas. Paramos duas vezes, em piscinas naturais onde era possível entrar para um banho (geladíssimo por sinal) em águas cristalinas. Alguns corajosos mergulharam e sentiram a energia do local em sua totalidade. Eu confesso que não tive coragem! O dia estava quente mas a água era gelada demais! Além disso a perspectiva de caminhar mais 2 horas toda molhada não me agradava.

IMG_5240

No final retornamos ao ponto de partida felizes, cansados e com os pés encharcados. Eu fiquei muito satisfeita com o calçado que escolhi, uma bota de caminhada que segurou legal o trajeto inteiro, mesmo molhada, sem me dar uma bolha sequer ou deixar meus pés doloridos. Algumas pessoas que foram com tênis leve reclamaram de dor por conta das pedras. Eu havia levado um par de sapatilhas de caminhada para a volta e acertei em cheio. Tirei as botas e as meias e coloquei as sapatilhas.

IMG_5307

Dali seguimos para um almoço em um restaurante simples no caminho de volta a pousada. Era um buffet caseiro com saladas, 3 tipos de carne, massa, mandioca cozida, arroz, feijão e farofa. Sobremesa e cafezinho incluídos também. Seria tudo tranquilo não fosse o preço de 35,00 por pessoa. Achei super caro!

IMG_5313

IMG_5317 IMG_5318

Depois do almoço visitamos a Pousada Pedra Afiada (assunto para um próximo post) e depois voltamos para a Morada dos Cânions onde estávamos hospedados. Um dia antes havíamos visitado o cânion Itaibezinho pela segunda vez. A primeira foi no ano passado em companhia das filhotas. Já viu o post aqui?

E você, tem alguma dica bacana de passeios na região? Já fez alguma trilha nos Aparados da Serra? Conta aí nos comentários, vamos adorar saber da sua experiência.

Claudia Bins

Gerente de Projetos, Blogueira de Viagens, Escritora e Editora de Conteúdo, sou apaixonada por minha família, por viagens e livros, fotografia e marketing digital. Viciada em café!

Um Comentário:

  1. Pingback: Cave Geisse, um sonho de vinícola - As Passeadeiras

Deixe um comentário:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*