Colonia Del Sacramento – um bate e volta desde Montevideo

Ruta 1

Saímos de Montevidéu pela Rambla Francia. Bastou seguirmos em direção ao porto e de lá tomamos a Ruta 01 que leva à Colonia del Sacramento em cerca de 2 horas e meia de viagem. A estrada é muito bonita e muito tranquila, com 2 pedágios. Logo na chegada à Colonia, tem um pequeno shopping center à esquerda que foi perfeito para um pipi-stop para as crianças.

Colonia del Sacramento foi fundada há 334 anos pelo Governador da Capitania Real do Rio de Janeiro, Manuel Lobo, por ordem do Império Português. Desde então pertenceu à Portugal e à Espanha. Com a Independência do Brasil, passou a integrar seus domínios até à Independência da República Oriental do Uruguai, em 1828.

Casa Nacarello (museu) na Plaza Mayor

Seguimos as indicações para o centro histórico onde estacionamos o carro. De lá, fizemos os passeios à pé. Tudo muito perto e o dia lindo estava perfeito para caminharmos. Começamos pela Plaza Mayor – 25 de Mayo. Visitamos o Farol, mas como estava muito frio resolvemos não subir os 118 degraus.  O Farol foi construído em 1857 sobre as ruínas do Convento de São Francisco e 10 anos depois sofreu um incêncio. Já na Casa Nacarello, você pode ver como vivia uma família local por volta de 1750.

Ele foi erguido sobre as ruínas do convento de São Francisco, construído em 1694 e destruído por um incêndio 10 anos depois. Algumas paredes da construção original ainda estão lá. – See more at: http://mapadomundo.org/colonia-del-sacramento/o-farol/#sthash.Xe92FpGi.dpuf
Ele foi erguido sobre as ruínas do convento de São Francisco, construído em 1694 e destruído por um incêndio 10 anos depois. Algumas paredes da construção original ainda estão lá. – See more at: http://mapadomundo.org/colonia-del-sacramento/o-farol/#sthash.Xe92FpGi.dpuf
Ele foi erguido sobre as ruínas do convento de São Francisco, construído em 1694 e destruído por um incêndio 10 anos depois. Algumas paredes da construção original ainda estão lá. – See more at: http://mapadomundo.org/colonia-del-sacramento/o-farol/#sthash.Xe92FpGi.dpuf
 Farol de Colonia
Ele foi erguido sobre as ruínas do convento de São Francisco, construído em 1694 e destruído por um incêndio 10 anos depois. Algumas paredes da construção original ainda estão lá. – See more at: http://mapadomundo.org/colonia-del-sacramento/o-farol/#sthash.Xe92FpGi.dpuf

A Plaza Mayor que era usada para exercíos militares hoje abriga outras construções históricas além do Farol, tais como a Casa de Nacarello, o Arquivo Regional, o Museu Municipal, a Casa de Lavalleja e o Museu Português.

Plaza Mayor
Mas o que fez o maior sucesso com as meninas foi o Café Freddo e seu sorvete de Dulce de Leche Granizado. Ótima opção para uma parada estratégica depois de caminhar bastante, mesmo no frio.

O Centro Histórico de Colonia é pequeninho e fácil de se locomover. Só é preciso cuidar com  o chão de pedras que pode ser escorregadio. Não aconselho salto alto ou chinelos. Descendo a rua ao lado do Farol e virando à direita, chega-se a uma das casas mais antigas de Colonia, o Rancho Don Antonio e em frente uma vista incrível para o Rio da Prata.  Buenos Aires fica do outro lado do Rio da Prata e dá para ir lá de Buquebus. Em uma próxima oportunidade eu quero ir à Buenos Aires no outono e, de lá, visitar Colonia novamente, onde quero ficar uma noite. A cidadezinha deve ser encantadoramente romântica à noite.

Rancho Don Antonio
Rio da Prata

Voltando pela mesma rua à beira do Rio da Prata, caminhamos até a emblemática Calle de los Suspiros, talvez a rua mais famosa de Colonia. Ali fica um dos restaurantes mais concorridos de Colonia, o Buen Suspiro. Não almoçamos lá pois ainda era cedo, mas enquanto pesquisava sobre a cidade, achei esse post muito ilustrativo e bastante completo sobre o local.

Calle de Los Suspiros
Outro restaurante famoso é o Lentas Maravillas, fica na Santa Rita, 61 a poucos metros da Marina e é muito agradável, além de também muito famoso. Entramos para conhecer mas não ficamos. Eles servem um chá das 5 que dizem ser maravilhoso.
Continuamos em direção à Fortaleza de Colonia, erguida no Séc. XVIII pelos portugueses. Entramos pelo Portal de Armas e depois subimos pela murada para vermos os canhões.
Fortaleza de Colonia
Subimos a rua e entramos em outra praça, a Plaza de Armas Manoel Lobo. Muito bonita e arrumadinha, com casinhas coloridas e, em frente, uma rua de restaurantes, lojinhas e cafés.
Plaza de Armas
Nessa altura estávamos com fome e resolvemos procurar um lugar para comer. Eu queria conhecer o  El Drugstore, ali na praça, mas como não aceitavam cartão de crédito, entramos para umas fotos e acabamos almoçando em um restaurante ao lado que eu não lembro o nome (esse aí embaixo). Comida muito boa, por sinal. Pedimos um entrecot à Parmeggiana com salada mista.
El Drugstore
Dali continuamos o passeio pela cidade. Visitamos a Basílica del Santíssimo Sacramento que, apesar de ter sido destruída várias vezes, é considerada a igreja mais antiga do Uruguai. Também visitamos o Museu dos Azulejos e depois paramos para um café na Plaza Mayor.
Basílica del Santíssimo Sacramento
As meninas estavam cansadas então ficaram com o pai em uma café e eu saí para caminhar mais um pouco e bater fotos. Algumas delas aí embaixo:

Depois, resolvemos visitar o Parque Anchorena, a cerca de  30 km de Colonia, pela Ruta 21. O parque de mais de 400 hectares havia sido uma recomendação de amigos e estávamos ansiosos para conhecer. Infelizmente chegamos tarde e perdemos o último passeio do dia. Somente passeios guiados são permitido na propriedade doada pelo argentino Don Aarón de Anchorena, que abriga a residência de descanso dos Presidentes Uruguaios.

Entrada do Parque Anchorena
Voltamos à Montevideo com um gostinho de “quero mais” já à noitinha. Certamente retornaremos a essa cidadezinha encantadora às margens do Rio da Prata e dessa vez, visitaremos o Parque Anchorena.

Claudia Bins

Gerente de Projetos, Blogueira de Viagens, Escritora e Editora de Conteúdo, sou apaixonada por minha família, por viagens e livros, fotografia e marketing digital. Viciada em café!

Deixe um comentário:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*