Meus Perrengues de Viagem – Episódio 1 – O maior susto da vida

Downtown Austin

Downtown Austin

Perrengues são aqueles problemas chatos que na hora a gente quer sumir do mundo e só voltar quando estiverem resolvidos. Em viagens então, perrengues tendem a ser maximizados afinal, estamos longe de casa, fora da zona de conforto totalmente e, muitas vezes no nosso caso, com as crianças.

Capitólio em Austin

Capitólio em Austin

Alguns viajantes são super perrengueiros, normalmente são aqueles mais aventureiros, que arriscam mais. Outros, como nós, planejam tudo com bastante antecedência para tentar minimizar qualquer chance ao azar. Ainda assim o tal perrengue aparece nas horas mais impróprias.

1402238508442

“Nós fazemos em frente de todos” – Sorveteria em Austin mostrando o bom humor texano

Perrengue tem lado bom? Se tiver final feliz, tem sim! Ele vira um “causo” de viagem daqueles… uma delícia de história, que você conta dando risada em uma roda de amigos.

#favetravelquotes

“Viajar te deixa sem palavras. Depois te torna um contador de estórias – #favetravelquotes

Meu maior perrengue em uma viagem, sem a menor sombra de dúvida, foi ano passado durante uma viagem à trabalho. Fui a Austin, no Texas, cidade que conheço como a palma da minha mão. São 12 anos viajando para lá, 2 ou 3 vezes ao ano. Adoro a cidade, conheço um montão de gente bacana. Tem lugares lindos pra visitar, comida ótima, passeios ao redor com muita natureza, a 6th street e seus bares, enfim, um lugar super bacana para conhecer e visitar sempre. Mas…

Ponte de Pedestres em Austin

Ponte de Pedestres em Austin

O inesperado acontece! Eis que um final de tarde, depois de um happy hour mega divertido com as colegas de trabalho (que aliás, terminam super cedo, para quem não sabe…), eu resolvi que iria passear e tirar umas fotos de um lugar gracinha que eu havia visto um dia antes. Ficava pertinho de onde eu estava, ainda era dia, a luz estava bonita ao entardecer, enfim, seria perfeito.

Igrejinha em Round Rock

Igrejinha em Round Rock

O tal lugar era uma igrejinha fofa, de tijolos vermelhos, com um jardim super lindo na volta e um cemitério bucólico atrás. Cenário show para fotos de viagem, não? Bem, sim, porém… eu estava lá, sozinha, passeando na volta da igreja quando me aproximei de um arbusto alto de rosas vermelhas, para fotografar. Daí eu senti algo no meu pé. Como se fosse um arame, algo metálico. Nem olhei pra baixo na hora, pensei mesmo se tratar de um arame. Mas, em seguida, percebi algo se mexendo e olhei pra baixo.

Fotografia do cemitério atrás da igreja

Bem quando eu bati essa foto aqui

Gente, que horror, quase infartei quando vi uma cobra, preta ou marrom escuro de boca aberta com as presas à mostra, empinada e pronta para outro bote!

Dei um pulo pra trás e o bicho horroroso saiu pra baixo do arbusto. Vi que ela tinha algo como um metro. Olhei meu pé e vi uma marca enorme, uma dentada mesmo, com 2 pontos mais profundo onde 2 bolhas de sange surgiam. Na hora obviamente não fotografei, mas depois, no hotel, sim:

20140604_235458

Nem preciso dizer o que pensei na hora: “Morri! Longe de casa e das minhas filhas, sozinha, ao lado de uma igreja e de um cemitério, no Texas!”

Agora eu dou risada, mas na hora foi trágico mesmo. Não sabia o que fazer… se sentava, se andava até o carro… fiquei zonza, mais por medo que por poutra razão. Tentei gritar por ajuda (help, help) mas nada, nenhuma viva alma por ali. Acabei voltando ao carro onde sentei, peguei o telefone (ainda bem que eu tinha um chip local!) e liguei para alguns amigos e colegas da empresa. Liguei para uns 3 e nenhum atendeu (hora do jantar!). Finalmente um deles atendeu o telefone e eu contei o ocorrido. Como estava perto do meu hotel combinei dele me buscar lá para me levar a um hospital.

20140604_235428

Quando cheguei ao hotel não havia ninguém na recepção. Nem lembrei de ligar no 911, emergência. Mas olhei meu pé e vi que não estava inchado nem vermelho. Estava lúcida e sem dor alguma, então me acalmei pensando que a tal cobra não deveria ser venenosa. Consegui falar com a Gio, minha super amiga e colega brasileira que também estava lá à trabalho, jantando com um casal de amigos. Mandei uma mensagem primeiro contando. Aí pensei: ela vai achar que é brincadeira! (como de fato achou…) então em seguida mandei outra dizendo: “isso não é uma brincadeira”.

Ela me ligou, na mesma hora, apavorada, e combinamos de eles virem também me acompanharem ao hospital. (Ufa, pensei, ao menos não vou estar sozinha).

Os 3 queridos chegaram e fomos ao hospital, onde fui atendida na hora. Quer dizer, fui encaminhada a uma salinha cheia de coisas onde mediram febre, sinais vitais, fizeram 500 perguntas e me deram um montão de papel para assinar. Sério, um montão mesmo, tipo uma lista telefônica.

Depois de uns 15 ou 20 minutos chegou um médico sorridente, que ficou fazendo piadinha sobre a cobra, olhou meu pé (sem colocar a mão) por uns 3 segundos e concluiu que a tal não era venenosa. Ainda assim, disse ele, vamos aplicar uma injeção anti-tetânica, para evitar problemas.

Assinei os papéis, esperei mais uns 30 minutos pela tal injeção e fui liberada, depois que mostrei a carta do seguro saúde, que eu sempre levo comigo. Bendito seguro… sabe quanto foi a brincadeira? USD 650,00, por uma injeção de anti-tetânica e uma olhadinha de 3 segundos do médico. É mole?

Deu tudo certo, terminou tudo bem e não ficou nem a marca. Meu querido pezinho continua o mesmo e eu aqui, com história para contar… Depois do hospital telefonei para o marido, mesmo sabendo que era madrugada no Brasil. Estava precisando de mimo e carinho e ouvir o maridão ajudou muito.

No outro dia eu ouvi muitas piadas e brincadeiras, mas também não deixei barato. Disse que não seria qualquer cobrinha Texana que ia derrubar a brazuca aqui. kkkk Ou então que a cobra provavelmente estaria agonizando (envenenada) e pensando que tinha que picar justamente uma brasileira! :-)

Esse foi o pior perrengue, mas tenho outros, que serão assuntos para um próximo post!

E você? Qual foi seu pior perrengue de viagem?

Quer saber mais sobre o Texas, veja outros posts aqui.

Claudia Bins

Gerente de Projetos, Blogueira de Viagens, Escritora e Editora de Conteúdo, sou apaixonada por minha família, por viagens e livros, fotografia e marketing digital. Viciada em café!

4 Comments:

  1. Olha , eu já tive muitos perrengues em viagens, mas esse seu, deixa qualquer um no chinelo! Eu, hipocondríaca que sou, teria infartado ali mesmo, na igrejinha! kkkkk. Que pãnico, só em ler! :) Ainda bem que você foi lúcida! UFA!

  2. Caramba, que susto ! Que bom seu pezinho inteiro e a cobra agonizando ! Hahahaha

Deixe um comentário:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*