Venezuela, ir ou não ir?

Aeroporto de Caracas na Venezuela

Kerlen e Eurico no aeroporto de Caracas

A Kerlen e o Eurico viajaram para Venezuela esse ano e nos presentearam com esse relato (o primeiro) sobre suas impressões de Caracas. O post reforça a imagem que eu tinha da cidade, que tive a oportunidade de conhecer há anos atrás. Obrigada Kerlen, por compartilhar conosco essa experiência, de um lugar não muito popular nas viagens, para que possamos conhecer mais sobre nossos vizinhos.

Quando contávamos às pessoas que havíamos resolvido conhecer a Venezuela, a reação sempre era a mesma: “O que vocês farão na Venezuela?”, “Vocês são malucos!” ou “Vocês não têm medo? É muito perigoso!”

Vista do Terraço no Eurobuilding

Vista do Terraço no Eurobuilding

Na hora de buscar uma agência que cuidasse da parte terrestre da nossa estadia, foi ainda mais difícil. Todas diziam que haviam cortado esse destino em razão da violência do país. Encontramos uma agência apenas que topou o “encargo”: a Yes Turismo, que nos levou também para Cuba e República Dominicana em outras oportunidades. Hoje penso que, se um dia voltarmos, será sem agência alguma.

Mas como é a Venezuela?

A Venezuela é um lugar maravilhoso, com paraísos escondidos e cheios de paz. Existe sim violência, injustiça, pobreza, crimes impunes. Falta polícia nas ruas (exceto próximo à casa do Presidente), falta comida e materiais de higiene para a população. Existe pobreza, diferenças sociais gritantes e favelas imensas.  Falta água todos os dias e energia elétrica. Tudo exatamente igual ao Brasil, com a sutil diferença de que a Venezuela se diz socialista.

Detalhes de Caracas - "Hoje temos Pátria"

Detalhes de Caracas – “Hoje temos Pátria”

Vou começar o meu relato por Caracas. Não foi um lugar que gostei muito e sei que acabarei influenciando muita gente… Mas acho importante fazer um relato fiel.

Optamos por pernoitar em Caracas antes de seguir para Los Roques e visitá-la realmente no nosso retorno, quando passaríamos 2 dias na cidade. O receptivo da nossa agência era, no mínimo, estranho. Um carro e um casal sem identificação alguma. Atrasaram. Quando chegaram, não se identificaram. Mas correu tudo bem. Todas as outras agências eram devidamente identificadas, o que notamos de pronto ao chegarmos no aeroporto.

Táxi em Caracas

Táxi em Caracas

Há algo surreal na Venezuela: o câmbio. A moeda é o bolívar, que você adquire somente lá.  Porém, é uma moeda fraquíssima. Não vale absolutamente nada. No país existem dois tipos de câmbio, muito usuais e diferentes entre si. São o câmbio oficial e o negro. Como a Venezuela não negocia com países que paguem em dólar, existe uma escassez incrível da moeda. Isso fez com que a população criasse uma alternativa para a entrada de dólares: o chamado câmbio negro.  No câmbio oficial, em novembro de 2015, US$ 1,00 era equivalente a Bs 194,00. Contudo, no câmbio negro, você trocava US$ 1,00 por Bs 650,00.

Já havíamos lido sobre isso e sabíamos que o câmbio negro era relativamente seguro e  praticado pelas agências de viagem. Todos os blogueiros de viagem indicam esse câmbio, salientando sempre que não era bom fazer a troca no aeroporto e que precisamos atentar para que não tentem trocar nossos dólares por dólares falsos.

Bolívares equivalentes a 100 dólares

Bolívares equivalentes a 100 dólares

Existem muitos criminosos no aeroporto. Eles têm livre acesso e por isso é importante estar atento. Não troque dólares no aeroporto. Não pegue qualquer táxi.  Não converse com estranhos.  Ou seja, tenha todo o cuidado que que você tem quando caminha pelo centro de POA, São Paulo ou Rio de Janeiro.

Assim, trocamos US$ 200,00 por  Bs 130.000,00 no quarto do nosso hotel, com o receptivo da nossa agência em Caracas.  A nota mais alta é a de Bs 100,00. Por isso, se você não ficará muito em Caracas, troque no máximo US$ 100,00 em Caracas. O resto você troca em Los Roques, que é muito seguro e tranquilo.

Pelas ruas de Caracas

Pelas ruas de Caracas

O salário mínimo nacional é de Bs 7.421,66. Como o ano é eleitoral, Maduro concedeu (irresponsavelmente) um aumento de 30%, passando o salário mínimo para Bs 9.649.  Isso significa que o salário, na Venezuela, é o equivalente a US$ 14,84. Embora seja um país socialista, existem empresas privadas, mistas e estatais. Como as privadas são vistas como exploradoras do país, não recebem qualquer incentivo do Estado. O Hilton, por exemplo, em Caracas, operava normalmente até que o Presidente informou que estava estatizando o Hotel inteiro e que todos deveriam deixar o local. Lá as coisas são assim.

Propaganda governamental na Venezuela

Propaganda governamental

Na primeira noite ficamos no Hotel Ole Caribe e não recomendamos de maneira alguma. Mas ele é próximo ao aeroporto e como iríamos para Los Roques no dia seguinte, optamos por ele. O atendimento é sofrível.  A comida muito ruim. Mas os quartos eram limpos.

Quando voltamos de Los Roques nos hospedamos no Eurobuilding Caracas. Longe do aeroporto, mas na cidade e próximo de todos os pontos que queríamos conhecer. O Eurobuilding é um hotel de negócios e como a Venezuela negocia quase que exclusivamente com a China, existem muitos chineses hospedados ali.  Os quartos são excelentes e o café da manhã é impecável. Tem um mini shopping onde você pode comprar souvenirs, tem piscina e um terraço que permite avistar toda a cidade.

Business Woman Floor

Business Woman Floor no Hotel Eurobuilding

Mas algo me deixou bem chocada nesse hotel. Se você for uma mulher de negócios, irá ficar hospedada em um andar diferente do dos homens: o Business Woman Floor.  A sala de negócios das mulheres também era “exclusiva”. Mulheres deveriam tratar de negócios em uma sala de reuniões cor de rosa, em um andar diferente do dos homens. A sala de negócios dos homens era apenas deles. E esse foi apenas um exemplo triste do machismo que impera na cultura venezuelana.

SALA DE REUNIÕES PARA MULHERES

Sala de reuniões para mulheres no hotel Eurobuilding

Você verá mulheres cedendo o lugar aos homens. Verá mulheres de pé aguardando o táxi enquanto os homens ficam sentados esperando (na Venezuela você espera 40 minutos no mínimo por um táxi no shopping). No Shopping Sambil, por exemplo, havia uma fila imensa de mulheres de pé e, lá no meio, o Eurico, com várias pessoas me olhando por eu estar sentada e ele na fila.

O assédio também é milhares e milhares de vezes pior que no Brasil. Os homens param ao redor das mulheres, na frente de todo mundo e falam um monte de palavras horrorosas, ofensivas e de baixo calão, externando tudo o que pensam que fariam com elas. Como em todo o lugar do mundo, elas apenas baixavam a cabeça e prosseguiam. Ninguém, além de nós, ficava horrorizado com aquilo.

FAVELAS

Favelas na Venezuela

Outra coisa interessante de Caracas é que as farmácias vendem de tudo, menos o que precisa. Você encontra chocolates, mel, salgadinhos, refrigerante… Mas remédios são pouquíssimos. Às vezes, quando havia uma fila muito grande que atingia uma ou duas quadras, era porque, naquele dia, havia chegado no local algum shampoo, pasta de dente ou remédio que há muito tempo não vinha para o país.

Não existem indústrias na Venezuela. Como o Governo decide quanto as empresas devem obter de lucro (sob pena de estatizá-las), nenhuma se mantêm e tudo o que existe é produzido fora, de modo que só entra no país o que o governo libera.

IMEDIAÇÕES DA RESIDÊNCIA PRESIDENCIAL

Nas ruas de Caracas

Nos muros, todos, propagandas políticas e fotografias de Maduro. Apenas dele. Um trânsito caótico. Pessoas andando na contramão. Não existe pisca alerta, luzes noturnas, leis de trânsito, absolutamente nada. Carros sucateados e pessoas grosseiras.

A gasolina na Venezuela é a mais barata do mundo. Custa apenas Bs 1,00. Mas se você comprar água, vai pagar Bs. 30,00 o litro. Onde está o socialismo na Venezuela?  Eu perguntava isso aos cidadãos sempre que tinha oportunidade. Todos respondiam com um sorriso e diziam: “no hay socialismo en Venezuela”.

ÔNIBUS

Ônibus em Caracas

As passagens de ônibus mudam de valor a cada dia. Os motoristas riscam nos vidros o preço da passagem e a data. Os programas sociais existem e são muito semelhantes aos nossos. Com o passar dos anos, levaram as instituições ao colapso em todas as áreas. As histórias são muito tristes.

O que ver em Caracas?

Enfim… Não é necessário muito esforço para saber que não gostamos de Caracas em razão da total disparidade entre nossas ideias e o que vemos por lá. Caso opte por conhecê-la, existem alguns lugares muito bonitos que eu recomendo.

TELEFÉRICO (4)

Teleférico em Caracas

VISTA DO TOPO DO TELEFÉRICO

Vista do Belvedere

Um deles é o Teleférico da cidade, com uma subida linda e uma paisagem maravilhosa. A vista lá de cima é surpreendente.  A entrada custa Bs 250,00. O equivalente a R$ 1,50 aproximadamente. Foi o lugar que mais nos surpreendeu.

O city tour nos leva em mais um monte de lugares, como a sede do governo, o túmulo de Bolívar, a casa onde ele viveu… Todos esses passeios são interessantes pela história que possuem, mas você os fará de dentro do carro do receptivo e, raramente, conseguirá descer para fazer fotos. Segundo eles, não é aconselhável.

Túmulo de Simon Bolivar

Túmulo de Simon Bolivar

Quanto aos Shoppings, os maiores são Sambil e El Líder. Ambos muito caros e com lojas vazias, dado o preço das coisas. Gostamos muito do Shopping Tolón. Nesse você encontrará souvenirs e itens legais para presentear quem ficou no Brasil. Quanto aos táxis, opte sempre pelas cooperativas. Cada estabelecimento tem a sua de confiança.

Sempre que  entrar em um táxi você deve perguntar quanto dará a corrida. As cooperativas de táxis possuem uma tabela própria. As corridas variam entre Bs 400,00 e Bs 1.000,00.

Quanto a restaurantes, recomendamos o Tarzilândia, com carne e atendimentos perfeitos.

TaRZILANDIA na Venezuela

Restaurante Tarzilandia

Vale a pena ficar em Caracas?

Sempre vale. Uma cultura diferente, um regime político diferente… Mas diferentemente de Cuba, para conhecer Caracas 1 dia é suficiente.

Vá ao Teleférico, conheça a parte histórica, vá ao Tolón ou ao El Líder, tome um café no Artesano e retorne ao Brasil feliz e tranquilo.

Kerlen querida, o blog Mezzo Mondo estará sempre à disposição! Foi um prazer enorme e uma honra te receber aqui. Aguardaremos ansiosos o post de Los Roques e esperamos que volte sempre :-).

Leia todos os posts sobre America do Sul aqui;

Já foi a Venezuela e tem mais dicas? Compartilhe conosco aí nos comentários e siga nossas redes sociais para ficar por dentro das novidades.

6 Comments:

  1. incrível a ilusão que tantas pessoas têm sobre esses países ! Que triste as mulheres serem tratadas assim ! um país que se diz socialista tratar seu semelhante de forma tão humilhante e desigual !

  2. Adorei o teleférico, teria medo de visitar a cidade, mas mesmo assim acho que curtir outra cultura e um país diferente é sempre uma grande experiência. Acho que iria sim!!!

  3. Poxa, que post cheio de informações novas! :)
    Aprendi bastante.

  4. Gostei do post. Só confirmou tudo o que meu marido me contava de Caracas (ele viajou bastante pra lá a trabalho).
    Nao tinha muito interesse antes e nos últimos tempos só piora.

  5. Muito legal! Não fazia ideia de que era um país muito mais machista que o Brasil!!! Que pena… Muito bacana o relato! Gostei bastante!

Deixe um comentário:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*