Visita ao Instituto Inhotim

Instituto Inhotim

Instituto Inhotim

De Belo Horizonte ou de Ouro Preto, existem 2 maneiras de chegar a Brumadinho, cidade onde fica o Instituto Inhotim. Uma é pela BR-381, passando pelo município de Mário Campos. Outra é pela BR-356 e BR-040, como mostra o esquema abaixo que fotografei do panfleto que pegamos no aeroporto. Para quem quer aventurar um pouco, dá para esticar a viagem, passando pelo Parque Estadual Serra do Rola Moça antes de seguir para Brumadinho.

Foto do mapa para chegar ao Instituto Inhotim
Mapa para Inhotim

Já que estávamos ali mesmo :-) resolvemos conhecer a Serra com nome engraçado. O caminho é tortuoso mas a vista é sensacional. A gente consegue uma visão da cidade de Belho Horizonte quase inteira, enquanto passamos pelo topo da serra. O penhasco é enorme e a estrada super sinuosa. Em alguns trechos só passa um carro. Me lembrou muito a estrada da Serra do Rio do Rastro, só que menor.

 

Foto da placa avisando sobre animais selvagens na estrada
Adorei a Placa com Tamanduá
Vista incrível da grande Belo Horizonte

Depois de descer a serra, ainda passamos por duas cidadezinhas pequenas. Nessa hora outro perrengue: o GPS parou de funcionar simplesmente. Não encontrava o caminho, foi bem chato! Nem o Waze funcionou pois não pegou sinal de internet. A solução foi apelar para as pessoas que encontrávamos pelo caminho. Aqui mais uma vez constatamos a gentileza e carinho dos mineiros. Todos a quem pedimos informações foram muito queridos e nos orientaram muito bem.

Andamos por uns caminhos bem alternativos e vimos cada coisa! Do tipo que tem postes no meio da estrada assim ó:

Foto de um poste no meio da estrada, na chegada à Piedade do Paraopeba
Pode isso produção?

Logo depois, na entrada para Brumadinho um mega engarrafamento por conta de um acidente na BR-381. Acabamos chegando em Inhotim as 11:30 da manhã, compramos os ingressos e fomos passear um pouco pelo parque antes de almoçar. Na entrada ganhamos um mapa que mostra as 3 grandes “trilhas” que são divididas por cores.

Foto do mapa das trilhas e obras de Inhotim
Mapa das trilhas e obras

Ajuda bastante seguir as trilhas pois podemos ir identificando as obras de arte e seus autores sem precisarmos dos guias. Eu adoro fazer esse tipo de visita com um guia que vai explicando as obras e falando sobre os artistas, mas com as crianças junto optamos por não fazer isso. Elas ficariam impacientes pois já estavam cansadas da viagem…

 

 

 

O Parque é lindo demais, tem vários cantinhos gostosos de sentar e curtir a paisagem e a sombra fresca. Fazia um calorão e as galerias também eram oásis com ar condicionado que ajudavam, e muito, a amenizar o calor.

Galeria True Rouge

Dentro do Parque funcionam 3 restaurantes e mais algumas lanchonetes, além do Café do Teatro. Os restaurantes são:

Tamboril – Buffet Livre, funciona de terça à domingo
Bar do Ganso – Bistrô bem aconchegante com cardápio igual ao do Restaurante Tamboril, funciona sábados, domingos e feriados
Restaurante Oiticica – funciona as quartas, sábados, domingos e feriados

 

Café do teatro
Meninas na lanchonete – pausa para o sorvete

As obras são interessantíssimas. Algumas lindas, outras instigantes e outras, uma viagem total. Infelizmente não é permitido fotografar no interior das galerias. As fotografias são liberadas nas obras externas e na casinha que abriga a primeira foto abaixo. Aqui algumas das obras que mais curtimos:

“Continente/Nuvem”, Rivane Neuenschwander

 

Sem Título – Edgard de Souza

 

Invenção da Cor – Hélio Oiticica
Troca-Troca – Jarbas Lopes

 

Narcissus Garden – Yayoi Kusama

Um dos meus locais favoritos: O Vandário, tipo de um orquidário suspenso em um deck de madeira em frente a um lago maravilhoso. Uma orquídea mais linda que a outra! As gurias adoraram andar lá por baixo enquanto o vapor d’água invadia o ambiente. Saíram toda molhadas mas foi uma festa!

 

 

Bem legal né? Outro lugar muito gostoso é a igrejinha. Bem ao lado tem uma lanchonete e em frente tem uns bancos de madeira que são uma delícia para sentar e curtir o momento. Ainda por cima tem esquilos fofos ao redor! Adoramos, claro!

 

 

 

Passamos um dia genial em Inhotim. Revigorados com tanta beleza em meio à natureza, voltamos para o hotel pela BR -381, para conhecer outro caminho.  Paramos em um café na estrada para comer pamonhas! As gurias não conheciam e gostaram muito… eu e o marido adoramos, mas não é muito fácil de encontrá-las no sul!

Empório Fazendinha, na saída de Brumadinho

 

Foi bem mais rápido dessa vez, apesar da estrada bem movimentada e com placas de trânsito tão empoeiradas que era difícil de exergá-las. Mas chegamos super bem e fomos direto ao hotel. No outro dia acordamos cedinho para chegarmos à tempo de ver os tapetes de serragem colorida em Ouro Preto.

Leia sobre nosso passeio a Ouro Preto aqui.

Para fazer um tour virtual por Inhotim, clique aqui.

Claudia Bins

Gerente de Projetos, Blogueira de Viagens, Escritora e Editora de Conteúdo, sou apaixonada por minha família, por viagens e livros, fotografia e marketing digital. Viciada em café!

3 Comments:

  1. Inhotim é simplesmente demais.. Um lugar incrível que todos deveriam conhecer… Já passamos por lá uma vez e vamos voltar novamente no feriado de 12/10… Cada visita uma nova surpresa…
    Parabéns pelos registros…

  2. Pingback: Instituto Inhotim faz dez anos - As Passeadeiras

Deixe um comentário:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*